Trending

PEIXES-BOI SÃO TRANSFERIDOS PARA INICIAR REITEGRAÇÃO AO EMBIENTE NATURAL


 Dois peixes-boi que estavam no Centro de Reabilitação da Fauna Marinha do Projeto Cetáceos da Costa Branca, no município de Areia Branca, foram transferidos para o Recinto de Aclimatação, localizado na praia de Diogo Lopes, em Macau.


O transporte dos animais foi realizado na madrugada do último sábado (30), em um trajeto de 120 km, e o caminhão precisou manter baixa velocidade para garantir a estabilidade e o conforto dos animais. A operação contou com apoio das Polícias Militar e Ambiental do estado, da Guarda Municipal de Areia Branca e do Corpo de Bombeiros.


Toda a ação foi realizada por equipe especializada e acompanhada presencialmente por técnicos do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).


Os peixes-boi foram batizados pelos veterinários de Zé e Gabriel, e medem aproximadamente 2,55 metros e pesam 310 kg e 342 kg, respectivamente. Zé (com 4 anos e 3 meses) e Gabriel (com 4 anos e 8 meses) foram encontrados encalhados e resgatados quando ainda eram neonatos e estavam em recuperação no Centro e Reabilitação da Fauna Marinha do PCCB-UERN, em Areia Branca, sob a supervisão de uma equipe multidisciplinar.




O chamado Recinto da Aclimatação tem capacidade para até quatro animais simultaneamente, com área total de 690 m², incluindo estrutura de acesso, área de manejo e cercado dos animais, todos em madeira tratada e legalmente licenciada. A estrutura foi construída em um canal localizado na comunidade de Diogo Lopes, mediante autorizações, licenças e anuências de todos os órgãos públicos competentes, incluindo o Conselho Gestor da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão (RDSEPT).


O detalhe


O projeto Cetáceos tem como propósito realizar Aclimatação e Programa de Soltura e Monitoramento de Peixes-bois Marinhos no RN na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão, mas o que se ver no braço praiano de Diogo Lopes é o lixo campeando no ambiente. 

Quando enxergamos nas imagens na beira da praia uma grande quantidade de óleo, além de pneus jogado no meio do rio num ambiente que era para ser bem cuidado diante do recente projeto.

 




Portanto



Parece que aqueles que se beneficiam diretamente com a RDS não se preocuparam em nenhum momento realizar um trabalho de conscientização no habitat praiano, deram apenas atenção no projeto de preparar o ambiente para receber o Peixe Boi Marinho, projeto que deve trazer recursos vultosos para algum seguimento, menos para a comunidade de Diogo Lopes. O contrassenso de um grupo para realizar um  projeto milionário numa praia, onde os mesmos  não fazem  o dever de casa de cuidar do seu ecossistema.


Fonte Cidade do Sal

 

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
header ads
header ads
header ads